domingo, 25 de setembro de 2011

Eu me arrependo, sim senhor!

Sempre achei clichê aquela frase "não me arrependo de nada que fiz, e sim pelo do que não fiz", mas nunca entendi muito bem e, se entendi, nunca concordei.

Porque ninguém acerta sempre. E quem erra, naturalmente, se arrepende, pois ninguém gosta de errar. E nem erra de propósito. É claro que com eles - os erros - aprendemos muito, crescemos, evoluimos. Mas o fato de se arrepender não significa recusar esse aprendizado. Na minha opinião, é muito pelo contrário, é assumir essa lição e querer colocar em prática.


Na própria origem da palavra: do grego μεταμέλεια - Metanóia (Meta=Mudança, Nóia=Mente), arrependimento quer dizer Mudança de Mentalidade.

Ou seja, alguém que se arrependeu mudou de opinião. Simples assim.

Seguindo a máxima "o que tá feito, tá feito - não se pode voltar atrás", então vamos usar o que de bom essa experiência nos trouxe, certo!? Vamos aprender para, na próxima, agir de forma diferente. Ninguém pode voltar atrás, mas, e se pudesse?

Pensar que "se eu não tivesse errado eu não teria aprendido", cá entre nós, é de uma falta de inteligência tamanha. (Que ninguém me julgue, ok!) Ninguém precisa se queimar pra saber que não se deve brincar com fogo. Mas, se há algumas situações que precisamos passar para aprender, que passemos por ela uma única vez. E tá de bom tamanho.

Eu me arrependo de muitas coisas.

De coisas que fiz: Me arrependo de ter falado muita coisa na hora da raiva, de ser incisiva demais em algumas situações, e outras coisitas más.
De coisas que não fiz: Me arrependo de não ter andado de patins por muitas vezes (só por falta de companhia), de não ter feito exercícios por preguiça, de não ter ido à um show com minha mãe quando era criança, de não ter tirado foto de muitas situações que vivi, de não ter corrido para pegar um ônibus e depois fiquei parada horas no ponto (!).

Eu me arrependo sim, Senhor! Mudando a vírgula do título deste post, volto-me à Deus, que sempre recebe um coração contrito (Sl 51:17) e lança os nossos arrependimentos no mar do esquecimento. (Mq 7:19) Elevo-me à Ele, e encontro alívio e força para continuar, sempre tentanto acertar.

Também gosto muito de um texto da Lya Luft, que diz: "Viver, como talvez morrer, é recriar-se: a vida não está aí apenas para ser suportada nem vivida, mas elaborada. Eventualmente reprogramada. Conscientemente executada. Muitas vezes, ousada...não é preciso realizar nada de espetacular, nem desejar nada excepcional. Não é preciso nem mesmo ser brilhante, importante, admirado...E que o mínimo que a gente faça seja, a cada momento, seja o máximo que afinal se conseguiu fazer."

Sem melancolia ou mágoa, que as experiências nos levem para o alto e avante! Afinal, isso é viver!

PROMOÇÃO NO RXE:
Pessoal, o RXE quer ouvir vocês! Vamos multiplicar nossas experiências, nossos arrependimentos. Compartilhe conosco uma experiência sua, queremos aprender com você!
Publique seu comentário neste post e siga o blog publicamente, ao final do concurso (dia 10/10/11), o melhor comentário ganhará um livro da Lya Luft "Perdas e Ganhos", com uma dedicatória minha sobre o que penso a respeito do que ganhamos quando nos arrependemos. Tem que ser morador ou com fácil acesso à Baixada Santista/SP, para que eu possa entregar o livro, ok!?

11 comentários:

Igor Tomaz disse...

Eu me arrependo. Ah, sim eu me arrependo. Eu me arrependo todas as vezes que deixo minhas idéias morrerem por falta de coragem. De sequer pô-las em um pedaço de papel ou fazer meus dedos se movimentarem para escrever em uma página de um blog privado. Eu me arrependo toda a vez que meu crítico-interior, um monstro apavorante pior que o bixo papão, me convence que nada que está na minha cabeça vale a pena. Que não há chances. Que eu sou muito pequeno, muito inexperiente, muito despreparado para aquilo lá. Que o outro faz melhor, que com ele funciona e comigo não. Eu me arrependo todos os dias em que acredito que os outros sabem perfeitamente o que fazer e eu não. Mas se é para falar do que eu não me arrependo também, deixo bem claro que nunca me arrependi de expor as idéias que tenho, (depois de ter coragem de tê-las exposto claro) mesmo com todas as críticas mais ferrenhas contra meu favor. Quando eu acredito em uma idéia, é porque eu já ergui todas as minhas defesas, e se mesmo assim ela for vencida, não haverá por mim um sentimento de derrota, pois entendo que ela me serviu ali até aquela hora, somente para ser substituída por uma idéia que foi realmente muito melhor.

Débora Bee* disse...

Que legal, Igor!
Obrigada pelo seu comentário!
Boa sorte :D

Ericka Rocha disse...

Eu me arrependo, mas sei que cada coisa que acontec tem o seu propósito, mesmo quando dói bastante! Se a gente não errar, não refletir sobre o erro e não melhorar quando isso acontece não evoluímos... E não tem coisa mais triste que ficar parada no mesmo lugar!

Um bjão, Débora!

Aline Tolotti disse...

Amei seu post amiga. Essa coisa de "não arrependo de nada" é muito adolescente e precoce... a gente vive, amadurece e vai percebendo que sim, nos arrependemos... e sim, erramos (e muito!). O mais legal disso tudo é refletir e não errar duas vezes, ou não errar na mesma medida. Viver é errar, é chorar e rir muito depois de tudo, acertando as próximas escolhas e buscando sempre (sempre!) a felicidade. Já que ela é instantânea e muitas vezes tão passageira, o importante é senti-la com toda intensidade. Aproveitar, rememorar e crescer.
Beijos amiga. Amo-te.

Débora Bee* disse...

Éricka e Aline, obrigada pelos comentários!
Concordo com ambas, tudo tem o seu propósito e crescemos com todos os nossos erros!

...ideal seria não precisar errar pra aprender, não?

<3

Dicas da Virginia disse...

Oi Dé, é uma "santa" mentira essa de "eu me arrependo do que não fiz", pois quem tem consciência e temor a Deus arrepende-se sim e, em caso contrário, o destino dessa pessoa é triste. Nos meus 5.8 tive a chance, infelizmente, de me arrepender várias vezes: de ficar tanto tempo emburrada; de ser mau humorada; de não ter amado mais; de não ter arrumado novo marido enquanto era nova, já que fiquei só com 3.0; de ter pensado tanto nos outros achando que assim estaria ajudando e muitos - hoje - não são gratos; me arrependo de ter trabalhado muito e tanto a ponto de não ter dado atenção ao meu único filho; me arrependo de não estar ao lado da minha mãe quando ela morreu e isso me dói até hoje...
Por outro lado, o arrependimento deve fazer parte da vida, pois só tem a chance de se arrepender aquele que ousa fazer alguma coisa, correndo o risco de acertar ou errar.
O melhor do arrependimento? Voltar e recomeçar. Essa é a chance que Deus nos dá, a todo momento.
O importante do arrependimento? Deixar de praticar o ato que gerou esse sentimento doído.
Sigo tentando, me arrependendo e deixando. É a vida.

Jéssica disse...

Somos duas viu, eu também nunca entendi muito bem, tentei, mas esse tipo de frase não combina comigo não :~
Você escreve muito bem viu s2
Espero que continue atualizando o blog,
Beijos, Jeh Galvão
http://horadamake.blogspot.com

Val Bernardo disse...

oi querida,eu me arrependo sim,mas como todo ser humano eu erro,mas logo me arrependo,adorei a visita bjão

Débora Bee* disse...

Pessoal, agradeço à todas (os) pelos coments, e o comentário ganhador da promo foi o do Igor Thomaz! Parabéns, Igor!

Fernanda Valente disse...

Parabéns Débora! Este texto vai de encontro com coisas que estava pensando hoje, já me arrependi demais por coisas que fiz e não fiz. O que devemos levar em consideração é o que pode ser melhorado em nossas vidas. Deus nos ensina em meio a dor e das alegrias... e nada é um mar de rosas. rs.
Beijão.

Simony disse...

me arrependo sim,e tento voltar atrás
http://simonebastos2007.blogspot.com/
vaso escolhido pelas mãos do mestre.
seguindo aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...